Estudantes de Belo Horizonte, São Paulo e Joinville vencem a final nacional da Imagine Cup 2016

Share

O palco do auditório Juscelino Kubitschek, em Belo Horizonte, ficou pequeno para tanta alegria no fim da tarde da quinta-feira, 28. Os criadores dos projetos “Bridge”, “WitBox” e “Sonho de Jequi” se abraçavam comemorando a vitória na final brasileira da Imagine Cup 2016, depois de uma maratona de apresentações para defender suas propostas de como a tecnologia pode fazer diferença na vida das pessoas.

A competição foi acirrada. As três equipes campeãs da fase nacional da 14ª edição da Copa do Mundo da Computação concorreram com mais de 1.600 participantes. E o número de projetos apresentados – 245 este ano – foi recorde! Um deles, o mais inovador, será selecionado pela Microsoft para representar o Brasil na fase mundial, em Seattle (EUA), e concorrer com equipes de mais de 100 países ao prêmio de 50 mil dólares.

Conheça a seguir os estudantes e seus projetos vencedores.

SonhodeJequiwinner3

“Sonho de Jequi” – Categoria Games

Os mineiros Alessandra Faria de Castro, Érico Grasso, Ramon Coelho de Souza e Daniel Sanabria, estudantes da PUC-MG, desenvolveram o game “Sonho de Jequi” inspirados em um dado alarmante: o Vale do Jequitinhonha foi considerado pela ONU o Vale da Miséria em 1974 e, 42 anos depois, o IBGE apontou que 47% da população ainda vive em situação precária.

Educativo e indicado para crianças de 5 a 10 anos e seus responsáveis, o “Sonho de Jequi” leva o jogador a conhecer o Vale do Jequitinhonha com o personagem Jequi. Seu objetivo é coletar água, dadas as dificuldades que a seca impõe aos moradores da região. Ao final de cada fase é apresentada uma tela com a realidade local, e o jogador tem a opção de fazer uma doação em dinheiro para ajudar as pessoas que vivem nas zonas áridas de Minas Gerais. A ideia é que os recursos sejam destinados à criação de cisternas de água e ao apoio da ONG Cáritas Diocesana Araçuaí.

“WitBox” – Categoria Inovação

Mais de 1,25 milhão de pessoas morre por ano em consequência de acidentes de trânsito em todo o mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). E o Brasil está entre os países em que a circulação de veículos é mais perigosa, gerando para o seguro DPVAT, em 2014, mais de 52 mil indenizações por morte e 596 mil por invalidez.

A dura realidade motivou os alunos Lucas Casagrande, Alexandre Viebrantz e Eduardo Garcia, da UNISOCIESC, a buscar uma solução. Eles criaram o projeto “WitBox”, uma caixa-preta veicular que apresenta evidências para auxiliar a reconstituição de acidentes automobilísticos, fornecendo informações úteis para perícias técnicas. A intenção dos jovens é prover novos produtos para seguradoras.

“Bridge” – Categoria Cidadania

O “Bridge”, projeto dos estudantes da USP Lucas Magon e Talita Dias, começou a ser desenvolvido há três anos e já foi testado por mais de 1.000 pessoas. É uma plataforma de apoio a crianças com limitações cognitivas e motoras, como paralisia cerebral e distrofia muscular. Por meio do “Bridge”, elas podem realizar pequenos movimentos e fisioterapia usando jogos adaptados e divertidos.

Em todo o planeta, a OMS calcula que existam cerca de 200 milhões de pessoas com deficiências graves. Para elas, o processo de fisioterapia é bastante doloroso, cansativo e de alto custo. Daí a criação do “Bridge” como um meio de tornar esse processo acessível, divertido e com chance de recuperação mais rápida. Entre os públicos-alvo do projeto estão clínicas, hospitais e universidades, uma vez que os benefícios se estendem ao trabalho dos médicos, fisioterapeutas, além dos familiares das pessoas com deficiência.

O “Bridge” também foi a preferência do público nas redes sociais, por meio de votos validados pelas hashtags #nomedsaequipe e #ImagineCupBR.

A cerimônia

A última etapa da competição nacional ocorreu pela primeira vez em Minas Gerais, e foi uma oportunidade para os jovens apresentarem seu potencial no universo da tecnologia. A cerimônia de premiação contou com a participação da Presidente da Microsoft Brasil, Paula Bellizia, do Secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Governo de Minas Gerais, Miguel Corrêa, do gerente de nichos de mercado do Bradesco, Hynde Fonseca Neto, da empreendedora Bel Pesce e do youtuber Lucas Rangel, como mestre de cerimônias.

Em sua apresentação, Paula Bellizia lembrou que equipes brasileiras foram reconhecidas em nove das treze últimas edições da Imagine Cup, e que o país foi o grande vencedor em 2015, com o time eFitFashion, da USP, e o software “Clothes for Me”, que simplifica o processo de compra on-line de roupas sob medida.

Depois da animada palestra de Bel Pesce sobre sua experiência como estudante de tecnologia e empreendedora, as nove equipes concorrentes tiveram 3 minutos para apresentar seus projetos e mais 2 minutos para perguntas e respostas.

“A cerimônia, em Belo Horizonte, veio coroar todo o objetivo dessa competição que é abrir novos caminhos, estimular os estudantes a transformar suas ideias em um negócio e propor soluções inteligentes para a sociedade. As inovações apresentadas neste ano surpreenderam tanto nós da Microsoft como os jurados e membros do governo mineiro. Todas as equipes estão de parabéns e tenho certeza que terão muito sucesso pela frente”, comentou o Diretor de Inovação e Novas Tecnologias da Microsoft Brasil, Richard Chaves.

Ao final da apresentação dos vencedores, Paula Bellizia reforçou o compromisso da Microsoft com o Brasil, a educação e o empreendedorismo. “Se conseguirmos promover um pouquinho o espírito empreendedor, vamos construir um país melhor. Para nós da Microsoft é uma honra estar aqui. Tecnologia é meio, não é fim. Fim é o que vocês tão fazendo aqui. Parabéns a todos”, finalizou a Presidente da Microsoft Brasil.

Share