Pular para o conteúdo

Hoje, vamos conhecer o Jack Mendez, um instrutor no Centro para Cegos de Louisiana. Ele mostra aos seus alunos o poder da tecnologia e os ensina sobre os recursos de acessibilidade no Office 365 e no Windows 10. A história de Jack faz parte da série Inclusão em Ação, que destaca como as tecnologias acessíveis permitem a mudança transformadora.

Aqui está a história dele.

Quando uma pessoa que enxerga entra na sala de aula de Jack Mendez, uma das primeiras coisas que ela percebe é uma estação de trabalho sem tela. Para Jack, esse é um exemplo do quão longe a tecnologia acessível chegou.

“Tenho um computador sem tela, e isso é intencional, porque quero que as pessoas compreendam que tudo que você precisa é um teclado e alguns fones de ouvido”, disse Jack. “Você pode produzir e consumir conteúdo, além de usar o computador e navegar, apenas com o leitor de tela e seu teclado.”

Jack Mendez é o diretor de Tecnologia no Centro para Cegos de Louisiana

Jack Mendez é o diretor de Tecnologia no Centro para Cegos de Louisiana

Como diretor de Tecnologia no Centro para Cegos de Louisiana, Jack é responsável pelos sistemas de TI e pelo software usado para preparar os estudantes para a vida fora da escola.

Quando entra na sala de aula, você descobre um volume grande de atividade. Jack implementou o Office 365 em todas as estações de trabalho da escola. “É o mais completo do mercado. Se você encontrar algo melhor, me avise.”

Os alunos gerenciam seus calendários e acessam o e-mail por meio do Outlook. Além disso, usam o OneNote para tomar notas e acessá-las em vários dispositivos.

Jack é um grande defensor do uso do verificador de acessibilidade do Office 365 para tornar o conteúdo mais inclusivo, dizendo:

“É algo que faz sentido clicar. Demora um segundo e, muitas vezes, para a maioria das recomendações que a ferramenta produz, é como uma correção de cinco segundos.”

Se os alunos quiserem saber como executar uma tarefa no Word, Excel ou PowerPoint, eles usam o recurso ‘Tell Me’ do Office 365 e perguntam como é feito. As respostas são rapidamente fornecidas.

Para Jack, essas tecnologias acessíveis representam uma revolução para ele e seus alunos.

“Posso agora abrir o Excel, o PowerPoint ou o Word e criar um conteúdo que alguém, em alguma parte do mundo, olhe e não saiba que uma pessoa cega participou da produção. É tão atraente, tão profundo quanto qualquer coisa que alguém com nenhuma deficiência poderia ter produzido.”

Jack diz que os alunos querem ir à escola para as aulas de tecnologia porque percebem o quanto é possível ser produtivo se você tiver um bom treinamento e entender como as ferramentas funcionam.

“Minha esperança para todos os meus alunos é que eles sejam capazes de usar a tecnologia para melhorar suas vidas. Muitos deles vão para a faculdade. Muitos começam a trabalhar. Alguns deles já têm carreiras e estão usando esse tempo para aumentar a independência em seu trabalho atual.”

Além de trabalhar com estudantes, Jack mostra às empresas como as tecnologias acessíveis podem permitir a expansão da força de trabalho e empregar mais pessoas com deficiência, como a visual.

Durante uma demonstração recente, para alguns banqueiros locais, criando uma apresentação visual em um computador sem tela, ele abriu o Office e começou a produzir um documento.

“Eu escrevi algumas coisas, mudei algumas fontes, salvei o documento usando o teclado, tudo sem tela.”

Jack usa o computador sem tela para criar conteúdo visual

Jack usa o computador sem tela para criar conteúdo visual

Desde essa demonstração, alguns de seus alunos conseguiram emprego com esses mesmos banqueiros.

Jack serve como uma inspiração para personalizar e maximizar o uso da tecnologia. Ele diz que era curioso na infância. Quando entrou em contato com os computadores, percebeu que isso lhe proporcionaria mais coisas para explorar.

Durante uma visita de rotina ao seu dentista, quando tinha 15 anos, Jack ouviu funcionários falando sobre um problema com o computador. Quando disse ao dentista que ele poderia consertar, o dentista hesitou antes de lhe dar uma chance. Jack consertou o computador e ganhou 500 dólares. O dentista, então, o recomendou para outros trabalhos, e assim se deu o nascimento da sua carreira em TI.

A esperança de Jack é que as tecnologias acessíveis se tornem uma realidade no futuro, que o faz acreditar que a vida e os negócios serão melhores para todos.

“Posso ajudar uma empresa a entender isso quando toma a decisão de contratar alguém que teve um bom treinamento e que vai ajudar toda a companhia”, disse.

E quanto ao ensino? “Trata-se de ajudar um aluno a entender o que é possível.”

Acesse o Blog da Microsoft Brasil semanalmente para ver mais histórias de pessoas que superam os limites da produtividade e inclusão com as tecnologias da Microsoft.

Últimos posts