Microsoft apoia encontro para ajudar na jornada de pacientes com câncer

A Jornada da Inovação, uma iniciativa liderada pela Bristol-Myers Squibb, reuniu a Microsoft, o Hospital Albert Einstein, o Instituto Lado a Lado pela Vida e a Innovster na busca por soluções que auxiliem o percurso de tratamento dos pacientes com câncer no Brasil. Cerca de 50 profissionais das empresas convidadas, com experiências diferentes, se reuniram em um escritório em Pinheiros, para, a partir de técnicas de Design Thinking, encontrarem maneiras de solucionar muitos dos problemas que fazem parte da vida de pacientes que tratam a doença.

No início do encontro, Roger Miyake, diretor Médico da Bristol-Myers Squibb, deu as boas-vindas aos participantes. “A ideia é criar, juntos, algo que nunca foi feito para facilitar a jornada dos pacientes com câncer”, disse. Logo depois, Carlos Zago, presidente da Innovster, pediu que os presentes compartilhassem suas experiências com a doença. As histórias de familiares, amigos ou conhecidos que lutaram contra o câncer reforçou o objetivo da iniciativa: ajudar os pacientes.

“Acreditamos que a inovação tem o poder de mudar a vida das pessoas. Não é sobre as empresas ou suas aspirações, é sobre as pessoas, fazer uma diferença real na vida delas. Sem dúvida, essa é uma oportunidade incrível para deixar um legado”, afirmou Zago, que deixou a medicina para fazer a diferença de outra forma. “Com um projeto como esse, posso ajudar mais pessoas do que como médico.”

Usando a abordagem de Design Thinking, os participantes criaram soluções para ajudar na jornada do paciente com câncer. (Foto: Rafael Pinheiro)

Usando a abordagem de Design Thinking, os participantes criaram soluções para ajudar na jornada do paciente com câncer. (Foto: Rafael Pinheiro)

Um café que pode mudar a realidade

A ideia para a Jornada da Inovação surgiu a partir de uma conversa no café. Ana Baldini, CIO (Chief Information Officer) da Bristol-Myers Squibb Brasil, queria propor um encontro para que a empresa pudesse promover a inovação de forma colaborativa. Durante uma conversa no café do escritório, sua colega de trabalho indicou um vídeo que mostrava uma iniciativa semelhante, realizada na Suécia.

A partir daí, Ana e Roger Miyake buscaram parceiros que pudessem trazer sua contribuição para o encontro. “Cada parceiro é uma referência no seu respectivo setor, com um DNA de inovação, que coloca o cliente no centro, em que a colaboração serve como uma espinha dorsal”, comentou Ana sobre os parceiros envolvidos no evento.

“A missão da Microsoft é empoderar cada pessoa e cada organização no planeta para alcançar mais. Fazer parte de um grupo de trabalho pensando no futuro, ajudando pacientes com câncer por meio da tecnologia é muito gratificante”, disse Daniele Wagner, gerente de Marketing de Produto da Microsoft Brasil.

A situação do câncer no país

A estimativa para o biênio 2016-2017, segundo o INCA – Instituto Nacional do Câncer, era de 600 mil novos casos no Brasil. Para Juliana Coleridge, gerente de projetos e relacionamento do Hospital Albert Einstein, participante do encontro, essa é uma iniciativa importante diante do cenário da doença no país. “Os avanços na oncologia são rápidos e constantes, por isso temos que oferecer o que o paciente precisa. Não temos como trabalhar sozinhos. Dessa maneira, iniciativas como essa e parceiros que trazem mais consistência são muito importantes”, comentou.

Vinícius Zimbrão é professor de educação física e radialista, além de ser colaborador do Instituto Lado a Lado pela Vida. Adepto da prática esportiva, ele enfrentou um câncer de testículo há três anos, que o motivou a iniciar uma campanha de incentivo ao esporte. “A minha doença serviu para estimular as pessoas a se exercitarem. Quando há a vontade de viver, você busca a inspiração”, compartilhou.

Para ele, momentos como esse são importantes para mostrar a empatia, principalmente com a participação de pessoas que já enfrentaram a doença. “Aqui estão reunidos indivíduos com diferentes experiências e, por isso mesmo, é legal ouvir coisas que talvez eu não tivesse pensado antes”, comentou.

“Na quarta revolução industrial, a tecnologia discute junto com as áreas de negócio as especificidades funcionais, para onde a gente vai levar a inovação. Temos o interesse que esse seja o início de uma grande jornada, e que não finalize agora”, disse Alessandro Jannuzzi, diretor de Engenharia e Inovação da Microsoft, durante o debate sobre o impacto da inovação e da tecnologia na vida dos pacientes oncológicos.

No final do debate, a Microsoft doou créditos de Azure para o Instituto Lado a Lado pela Vida com objetivo de colocar um ou mais projetos em prática usando a nuvem da empresa.