Usando a inteligência artificial para salvar vidas

Share

Madagascar-32353991812_75d4020baa_k

Uma jovem mãe e seu bebê visitam um centro local de nutrição na área rural de Madagascar para participar de um debate sobre nutrição infantil e aprender novas receitas culinárias que promovem uma dieta variada. Foto: Mohamad Al-Arief/The World Bank.

Por Brad Smith — Presidente

Crises humanitárias persistentes causadas por desastres naturais e por aqueles provocados pelo homem, opressão e outras emergências atormentaram nosso mundo desde o início dos tempos. E enquanto as organizações globais de ajuda se esforçam para responder a esses eventos, seu trabalho, por definição, é frequentemente reativo e difícil de escalar. Acreditamos que a tecnologia, como a inteligência artificial (IA) combinada com a tecnologia em nuvem, pode ser uma mudança no jogo, ajudando a salvar mais vidas, a aliviar o sofrimento e a restaurar a dignidade humana, mudando a forma como as organizações de assistência antecipam, preveem e direcionam melhor os esforços de resposta.

Hoje, em conjunto com a reunião da Assembleia Geral das Nações Unidas, estamos anunciando o AI for Humanitarian Action, um novo programa de US $ 40 milhões e cinco anos da Microsoft. A iniciativa vai aproveitar o poder da IA para se concentrar em quatro prioridades — ajudar o mundo a se recuperar de desastres, atender às necessidades das crianças, proteger refugiados e pessoas deslocadas e promover o respeito aos direitos humanos. Nosso programa AI for Humanitarian Action faz parte da suíte AI for Good da Microsoft — um compromisso crescente de US $ 115 milhões em cinco anos para trabalhar a fim de liberar soluções com inteligência artificial para alguns dos maiores desafios da sociedade.

Modelado a partir de nossas iniciativas AI for Earth e AI for Accessibility, trabalharemos profundamente com organizações não-governamentais (ONGs) e organizações humanitárias selecionadas por meio de subsídios financeiros, investimentos em tecnologia e parcerias que combinem nossa IA e nosso conhecimento de ciência de dados com a expertise desses grupos. Estamos otimistas de que a AI for Humanitarian Action acelerará o ritmo da inovação ao gerenciar projetos estratégicos de IA que demonstram novas aplicações, fornecendo soluções reutilizáveis e parcerias com outras empresas, para expandir e dimensionar projetos iniciais.

 

 

Nosso objetivo é agilizar novas soluções de inteligência artificial o mais rápido e amplamente possível em quatro áreas:

  • Resposta a desastres. Parece que nenhum canto do planeta está imune às consequências devastadoras dos desastres naturais, sejam incêndios, secas ou tempestades. A inteligência artificial e a modelagem de dados são uma grande promessa para a previsão e a detecção de sinais precoces de futuros desastres e também podem ajudar os profissionais de resposta a direcionar melhor sua ajuda. Tecnologias de IA, como a visão de máquina, podem analisar rapidamente imagens de estradas danificadas ou destruídas por um evento, abrindo caminho para uma resposta mais rápida e segura. Em uma nova parceria com o Banco Mundial, as Nações Unidas e os parceiros da indústria de tecnologia, as organizações de ajuda estarão mais capacitadas para prever quando e onde ocorrerão fomes futuras para que a ajuda chegue mais cedo, potencialmente salvando mais vidas.
  • Necessidades das crianças. Acreditamos que a IA pode equipar ONGs e organizações com melhores ferramentas para proteger a população mais vulnerável do mundo: crianças. O tráfico humano, por exemplo, é uma das maiores indústrias criminosas do mundo, capturando milhões de crianças a cada ano. Já estamos usando estruturas de análise preditiva e bot para direcionar tanto a oferta quanto a demanda que sustentam o tráfico de seres humanos — em última análise, interrompendo ações criminosas e trazendo socorro às vítimas em todo o mundo.

Serviços básicos de saúde para crianças também estão em necessidade crítica em todo o mundo. A ONG Operation Smile, nossa parceira de longa data, usa a visão por máquina e a modelagem facial para melhorar os resultados cirúrgicos da organização e ajudar mais crianças que precisam de cirurgias faciais. A síndrome da morte súbita infantil (SIDS) é outro problema em que a tecnologia avançada pode ajudar. A cada ano, milhares de bebês morrem, mas as causas da SIDS ainda não são totalmente compreendidas. A Microsoft está colaborando com o Instituto Integrativo de Pesquisa do Cérebro do Hospital Infantil de Seattle e alguns dos principais pesquisadores médicos em todo o mundo usando IA e aprendizado de máquina para desenvolver o primeiro banco de dados genômico focado em SIDS, para fornecer novos insights a fim de identificar as causas da SIDS e acabar com ela em todo o mundo.

  • Refugiados e deslocados. O número de refugiados e pessoas deslocadas no mundo está em um nível recorde, e este é um desafio seminal de nossa geração. A IA e o aprendizado de máquina têm o potencial de melhorar a vida de aproximadamente 68 milhões de pessoas deslocadas no mundo, das quais 28 milhões são refugiados. A IA pode ajudar a otimizar a entrega de ajuda, suprimentos e serviços aos refugiados e pode escalar os esforços das ONGs para comunicar e entender as necessidades das pessoas deslocadas. A Microsoft já está trabalhando com o Norwegian Refugee Council, NetHope e University College Dublin para desenvolver um chatbot usando tecnologias de inteligência artificial, como compreensão de linguagem, tradução automática e reconhecimento de fala, para ajudar inteligentemente jovens deslocados a conectá-los com recursos educacionais gratuitos e de alta qualidade. O uso de chatbots como esse também poderia fornecer um modelo para os trabalhadores de auxílio em campo. Esse recurso pode ajudar esses trabalhadores a se comunicar com pessoas deslocadas que falam idiomas diferentes e que precisam de serviços básicos específicos, como acesso a alimentos, cuidados de saúde e abrigo.
  • Direitos humanos. Vamos colaborar com ONGs e organizações humanitárias a fim de acelerar soluções inovadoras para ajudar a monitorar, detectar e prevenir abusos dos direitos humanos. A aprendizagem profunda criou a capacidade de melhor prever, analisar e responder a situações críticas de direitos humanos. Utilizando a tradução de fala com tecnologia IA, as pessoas podem se conectar com advogados pro bono que protegem os direitos humanos das pessoas.

Um aspecto fundamental de todas as nossas iniciativas AI for Good é combinar a tecnologia e a expertise da Microsoft em inteligência artificial e ciência de dados com o talento e expertise de grupos em todo o mundo em áreas, como ciência ambiental, necessidades de deficiências e assistência humanitária. À medida que continuamos a aumentar nossos esforços em todas essas áreas, estamos montando na Microsoft uma nova equipe de primeira linha com cientistas e analistas de dados.

Para liderar esses esforços, John Kahan participará como Chief Data Analytics Officer for Microsoft’s Corporate, External and Legal Affairs, subordinado diretamente a mim. A equipe de John terá uma missão ambiciosa: obter novos insights e infundir ciência de dados para enfrentar os grandes desafios do mundo. Isso incluirá a promoção do uso sustentável dos recursos do planeta, melhorando as oportunidades para pessoas com deficiências, protegendo os direitos humanos, fortalecendo a assistência humanitária e aumentando as capacidades das ONGs do mundo. Por mais de 15 anos, John tem sido um dos principais líderes da estratégia e do trabalho em Big Data da Microsoft. Ele tem mais de 33 anos de experiência na condução de dados em larga escala e equipes de ciência de dados de classe mundial. Eu não poderia estar mais empolgado com as contribuições futuras que essa equipe tem a oportunidade de buscar.

Estamos esperançosos de que o mundo verá o que pode ser a força poderosa da boa IA, quando bem usada em parceria com ONGs inovadoras. Ao garantir que a tecnologia cumpra sua promessa de atender às mais amplas necessidades da sociedade, podemos capacitar todos para obter mais.

 

Share